Hoje é Tarde, Já me Fui Deitar. de Carolina Costa




Se alguma vez um estranho se aproximar e te perguntar se já alguém gostou verdadeiramente de ti podes levantar a cabeça e responder, sem qualquer tipo de dúvida ou receio, que sim.

Que já gostaram mesmo de ti.

Que já gostei mesmo de ti.

Gostei, de ti. Aproveita e diz também que não foste capaz de me segurar.

Que permitiste que o tempo me levasse sem sequer teres tido coragem de puxar da tua espada para tentar defender a tua honra, a nossa honra.

Deixaste que os ponteiros do relógio varressem o nosso espaço, consumissem o nosso ar.

Não lutaste. Diz-lhe que, provavelmente, deitaste fora uma oportunidade de seres feliz, não para sempre, porque a eternidade é um conceito inexistente no dicionário da minha, da nossa realidade, mas momentaneamente, agora, hoje.

Podes contar a história de como as tuas incertezas e as tuas meias verdades conseguiram esmigalhar em mil pedaços a última réstia de amor que eu sentia por ti. Explica-lhe, com os detalhes que me deves, a forma como arrancaste os meus sonhos de mim.

Como me fizeste desacreditar em todos os XY que fui encontrando nas estradas do meu caminho. Mostra-lhe como já me fizeste desejar nunca te ter conhecido. Como me roubaste o coração para o usares como abrigo das tuas idas e vindas.

Como o gastaste, secaste. E sim, não te esqueças de mencionar as tuas idas e vindas.

Conta-lhe como me tomaste como garantida. Não prestaste atenção enquanto fui dando passos em frente, pequeninos, mas tantos que se tornaram enormes.

Foste tu quem deixou que assim fosse.
Também não notaste enquanto fui olhando para os lados para não ser atropelada novamente pelos teus homónimos, homógrafos, homófonos.

Por todos aqueles que tal como tu não sabem saborear a certeza do momento. Não reparaste enquanto fui fechando as portas, as janelas, os postigos e todos os buraquinhos que te permitiam voltar sempre que querias.

Não viste, ou não quiseste ver.
Não lutaste, ou não quiseste lutar.
Não te impuseste, não te esforçaste, não (me) quiseste.

Vai e conta-lhe, quando acabares vem-me dizer como correu. Mas hoje não, é tarde e eu já me fui deitar.



Carolina Costa

7 comments:

Anonymous said...

Wow que coisa mais lindaa! gostaria tanto te poder postar as minhas poésias. A gente amei!

Carolinarcosta said...

Ohh, obrigada ao autor do comentário anterior e um grande obrigado á Chiado Editora!

Eugenio Mourao said...

Este texto é lindíssimo. Parabéns, porque conseguiu iludir a desilusão. Escreve muito, mas muito bem mesmo. :)

Eugenio Mourao said...
This comment has been removed by the author.
Eugenio Mourao said...

Gostava imenso de o partilhar na minha página de facebook, se me permitir... Obrigado. :)

Carolinarcosta said...

Muito, muito obrigada :) esteja a vontade, só peço que coloque a fonte de onde vem o texto.

Eugénio Mourão said...

Obrigado. Claro que não me esquecerei da fonte... :)